Passei Toda a Noite

Print Friendly, PDF & Email

Passei Toda a Noite (Alberto Caeiro)

Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela,
E vendo-a sempre de maneiras diferentes do que a encontro a ela.
Faço pensamentos com a recordação do que ela é quando me fala,
E em cada pensamento ela varia de acordo com a sua semelhança.
Amar é pensar.
E eu quase que me esqueço de sentir só de pensar nela.
Não sei bem o que quero, mesmo dela, e eu não penso senão nela.
Tenho uma grande distração animada.
Quando desejo encontrá-la
Quase que prefiro não a encontrar,
Para não ter que a deixar depois.
Não sei bem o que quero, nem quero saber o que quero.
Quero só Pensar nela.
Não peço nada a ninguém, nem a ela, senão pensar.

Publicações relacionadas

Dança do ventre Dança do ventre (Cruz e Souza) Torva, febril, torcicolosamente, N...
Embriaga-te Embriaga-te (Charles Pierre Baudelaire) Deve- se estar sempre bêbado. É a úni...
Mulata Mulata (Nicolás Guillén) De Motivos de Son Ya yo ...
Espelho Espelho (Mário Quintana) Por acaso, surpreendo-me no espelho: Quem é esse qu...

Deixe uma resposta