Passei Toda a Noite

Print Friendly, PDF & Email

Passei Toda a Noite (Alberto Caeiro)

Passei toda a noite, sem dormir, vendo, sem espaço, a figura dela,
E vendo-a sempre de maneiras diferentes do que a encontro a ela.
Faço pensamentos com a recordação do que ela é quando me fala,
E em cada pensamento ela varia de acordo com a sua semelhança.
Amar é pensar.
E eu quase que me esqueço de sentir só de pensar nela.
Não sei bem o que quero, mesmo dela, e eu não penso senão nela.
Tenho uma grande distração animada.
Quando desejo encontrá-la
Quase que prefiro não a encontrar,
Para não ter que a deixar depois.
Não sei bem o que quero, nem quero saber o que quero.
Quero só Pensar nela.
Não peço nada a ninguém, nem a ela, senão pensar.

Publicações relacionadas

A un olmo seco A un olmo seco (Antonio Machado) Al olmo viejo, hendido por el rayo y en su ...
Subúrbia Subúrbia (Mario Benedetti) Do livro "Inventár...
Com licença poética Com licença poética (Adélia Prado) Quando nasci um anjo esbelto, desses que ...
Poética Poética (Federico Garcia Lorca) (Lo...

Deixe uma resposta