Horas vivas

Print Friendly, PDF & Email
Horas vivas (Machado de Assis)

Noite: abrem-se as flores . . .
Que esplendores!
Cíntia sonha seus amores
Pelo céu.
Tênues as neblinas
Às campinas
Descem das colinas,
Como um véu.

Mãos em mãos travadas,
Animadas,
Vão aquelas fadas
Pelo ar;
Soltos os cabelos,
Em novelos,
Puros, louros, belos,
A voar.

— “Homem, nos teus dias
Que agonias,
Sonhos, utopias,
Ambições;
Vivas e fagueiras,
As primeiras,
Como as derradeiras
Ilusões!

— “Quantas, quantas vidas
Vão perdidas,
Pombas mal feridas
Pelo mal!
Anos após anos,
Tão insanos,
Vêm os desenganos
Afinal.

— “Dorme: se os pesares
Repousares,
Vês? — por estes ares
Vamos rir;
Mortas, não; festivas,
E lascivas,
Somos — horas vivas
De dormir. —”

Publicações relacionadas

Expulso Por Bom Motivo Expulso Por Bom Motivo (Bertold Brecht) Eu cresci como filho De gente abasta...
Não te salves Não te salves (Mario Benedetti) Não fiques parado a beira do caminho, não c...
No meio da noite No meio da noite (Adélia Prado) Acordei meu bem pra lhe contar meu sonho: se...
Uma Gargalhada Uma Gargalhada (Alberto Caeiro) Uma Gargalhada de rapariga soa do ar da es...

Deixe uma resposta