Horas vivas

Print Friendly, PDF & Email
Horas vivas (Machado de Assis)

Noite: abrem-se as flores . . .
Que esplendores!
Cíntia sonha seus amores
Pelo céu.
Tênues as neblinas
Às campinas
Descem das colinas,
Como um véu.

Mãos em mãos travadas,
Animadas,
Vão aquelas fadas
Pelo ar;
Soltos os cabelos,
Em novelos,
Puros, louros, belos,
A voar.

— “Homem, nos teus dias
Que agonias,
Sonhos, utopias,
Ambições;
Vivas e fagueiras,
As primeiras,
Como as derradeiras
Ilusões!

— “Quantas, quantas vidas
Vão perdidas,
Pombas mal feridas
Pelo mal!
Anos após anos,
Tão insanos,
Vêm os desenganos
Afinal.

— “Dorme: se os pesares
Repousares,
Vês? — por estes ares
Vamos rir;
Mortas, não; festivas,
E lascivas,
Somos — horas vivas
De dormir. —”

Publicações relacionadas

Inventario galante Inventario galante (Antonio Machado) Tus ojos me recuerdan las noches de ve...
Como eu te amo Como eu te amo (Gonçalves Dias) Como se ama o silêncio, a luz, o aroma, O or...
Soneto da separação Soneto da separação (Vinicius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto ...
Livros e flores Livros e flores/strong>(Machado de Assis) Teus olhos são meus livros. Que ...

Deixe uma resposta