Propriedade do perdido

Print Friendly, PDF & Email

Propriedade do perdido (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Tudo o que perdestes,
me disseram, é teu.
José Emilio Pacheco

É minha a inocência
ânfora de cristal tão desvalida
que nada me sugerem seus pedaços

a juventude é minha
e é ainda atávico sussurro
rescaldo prévio ao impossível fogo

o rosto do meu pai
tão meu é que acode a meus espelhos
para comprometer-me em seus dilemas

é meu o primeiro salmo
débil embelezado entre as árvores
cerzido com as linhas do esquecimento

meu o broto de amor
que era quimera e foi descobrimento
para soltar arroubos como um lastro

meu o muro de deus
com sua gretada e fosca pele de pedras
e suas mil garatujas de receio

e a mão fraterna
tão minha é que surge das ruínas
para estreitar minha mão e exumar-me

tudo o que perdi
é meu irremediavelmente meu
tão distante de mim que é desamparo.

Publicações relacionadas

Alda Alda (Augusto dos Anjos) Alva, do alvor das límpidas geleiras, De...
Eu Nunca Guardei Rebanhos Eu Nunca Guardei Rebanhos (Alberto Caeiro) ...
Com cuidado eu examino Com cuidado eu examino (Bertold Brecht) Com cuidado examino Meu plano: ele é...
Os formais e o frio Os formais e o frio (Mario Benedetti) Do livr...

Deixe uma resposta