Propriedade do perdido

Print Friendly, PDF & Email

Propriedade do perdido (Mario Benedetti)

Do livro “Perguntas ao acaso”
Tradução de Julio Luís Gehlen

Tudo o que perdestes,
me disseram, é teu.
José Emilio Pacheco

É minha a inocência
ânfora de cristal tão desvalida
que nada me sugerem seus pedaços

a juventude é minha
e é ainda atávico sussurro
rescaldo prévio ao impossível fogo

o rosto do meu pai
tão meu é que acode a meus espelhos
para comprometer-me em seus dilemas

é meu o primeiro salmo
débil embelezado entre as árvores
cerzido com as linhas do esquecimento

meu o broto de amor
que era quimera e foi descobrimento
para soltar arroubos como um lastro

meu o muro de deus
com sua gretada e fosca pele de pedras
e suas mil garatujas de receio

e a mão fraterna
tão minha é que surge das ruínas
para estreitar minha mão e exumar-me

tudo o que perdi
é meu irremediavelmente meu
tão distante de mim que é desamparo.

Publicações relacionadas

A educação pela pedra A educação pela pedra (João Cabral de Melo Neto) Uma educação pela pedra: por...
Dilacerações Dilacerações (Cruz e Souza) Ó carnes que eu amei sangrentamente, ...
É Ela! É Ela! É Ela! É Ela!... É Ela! É Ela! É Ela! É Ela! (Álvares de Azevedo) É ela! É ela! — murmurei tre...
Começa a ir ser dia Começa a ir ser dia (Fernando Pessoa) Começa a ir ser dia, O céu negro come...

Deixe uma resposta