Poetas de amanhã

Print Friendly, PDF & Email

Poetas de amanhã (Walt Whitman)

Poetas de amanhã: arautos, músicos,
cantores de amanhã!
Não é dia de eu me justificar
e dizer ao que vim;
mas vocês, de uma nova geração,
atlética, telúrica, nativa,
maior que qualquer outra conhecida antes
– levantem-se: pois têm de me justificar!

Eu mesmo faço apenas escrever
uma ou duas palavras
indicando o futuro;
faço tocar a roda para a frente
apenas um momento
e volto para a sombra
correndo.

Eu sou um homem que, vagando
a esmo, sem de todo parar,
casualmente passa a vista por vocês
e logo desvia o rosto,
deixando assim por conta de vocês
conceituá-lo e prová-lo,
a esperar de vocês
as coisas mais importantes.

Publicações relacionadas

Vox Victiae Vox Victiae (Augusto dos Anjos) Morto! Consciência quieta haja o assassino ...
O fazedor de amanhecer O fazedor de amanhecer (Manoel de Barros) Sou leso em tratagens com máquina. ...
A Aeronave A Aeronave (Augusto dos Anjos) Cindindo a vastidão do Azul profundo, Sulcand...
Ontem à Tarde Ontem à Tarde (Alberto Caeiro) De O...

Deixe uma resposta