Nimbos

Print Friendly, PDF & Email

Nimbos (Augusto dos Anjos)

Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

Abismados na bruma enegrecida,
Julgo ver nos reflexos de minh’alma
As mesmas nuvens deslizando em calma,
Os nimbos das procelas desta vida;

Mas quando o céu é límpido, sem bruma
Que a transparência tolde, sem nenhuma
Nuvem sequer, então, num mar de esp’rança,

Que o céu reflete, a vida é qual risonho
Batel, e a alma é a Flâmula do sonho,
Que o guia e o leva ao porto da bonança.

Publicações relacionadas

O Utopista O Utopista (Murilo Mendes) Ele acredita que o chão é duro Que todos os homen...
Livros e flores Livros e flores/strong>(Machado de Assis) Teus olhos são meus livros. Que ...
Uma criatura Uma criatura(Machado de Assis) Sei de uma criatura antiga e formidável, Qu...
Brasil Brasil (Oswald de Andrade) O Zé Pereira chegou de caravela E perg...

Deixe uma resposta