Nimbos

Print Friendly, PDF & Email

Nimbos (Augusto dos Anjos)

Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

Abismados na bruma enegrecida,
Julgo ver nos reflexos de minh’alma
As mesmas nuvens deslizando em calma,
Os nimbos das procelas desta vida;

Mas quando o céu é límpido, sem bruma
Que a transparência tolde, sem nenhuma
Nuvem sequer, então, num mar de esp’rança,

Que o céu reflete, a vida é qual risonho
Batel, e a alma é a Flâmula do sonho,
Que o guia e o leva ao porto da bonança.

Publicações relacionadas

Há homens que lutam um dia Há homens que lutam um dia (Bertold Brecht) Há homens que lutam um dia, e são...
Não Basta Não Basta (Alberto Caeiro) Não basta abrir a janela Para ver os campos e ...
Parábola Parábola (Antonio Machado) Erase de un marinero que hizo un jardín junto al ...
Ter ou não ter namorado? Ter ou não ter namorado? (Carlos Drummond de Andrade) Quem não tem namorado ...

Deixe uma resposta