Nimbos

Print Friendly, PDF & Email

Nimbos (Augusto dos Anjos)

Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

Abismados na bruma enegrecida,
Julgo ver nos reflexos de minh’alma
As mesmas nuvens deslizando em calma,
Os nimbos das procelas desta vida;

Mas quando o céu é límpido, sem bruma
Que a transparência tolde, sem nenhuma
Nuvem sequer, então, num mar de esp’rança,

Que o céu reflete, a vida é qual risonho
Batel, e a alma é a Flâmula do sonho,
Que o guia e o leva ao porto da bonança.

Publicações relacionadas

Paisagem noturna Paisagem noturna (Manuel Bandeira) A sombra imensa, a noite infinita enche o ...
Demogorgon Demogorgon (Álvaro de Campos) Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gen...
Resumo Resumo (Adélia Prado) Gerou os filhos, os netos, deu à casa o ar de sua graç...
As Montanhas As Montanhas (Augusto dos Anjos) I Das nebulosas em que te emaranhas Leva...

Deixe uma resposta