Nimbos

Print Friendly, PDF & Email

Nimbos (Augusto dos Anjos)

Nimbos de bronze que empanais escuros
O santuário azul da Natureza,
Quando vos vejo, negros palinuros
Da tempestade negra e da tristeza,

Abismados na bruma enegrecida,
Julgo ver nos reflexos de minh’alma
As mesmas nuvens deslizando em calma,
Os nimbos das procelas desta vida;

Mas quando o céu é límpido, sem bruma
Que a transparência tolde, sem nenhuma
Nuvem sequer, então, num mar de esp’rança,

Que o céu reflete, a vida é qual risonho
Batel, e a alma é a Flâmula do sonho,
Que o guia e o leva ao porto da bonança.

Publicações relacionadas

Um paiá de Monai, bonzo bramá... Um paiá de Monai, bonzo bramá (Gregório de Matos) Um paiá de Monai, bonzo bra...
A legião dos úrias A legião dos úrias (Vinicius de Moraes Quando a meia-noite surge nas estradas...
Tratado geral das grandezas do... Tratado geral das grandezas do ínfimo (Manoel de Barros) A poesia está guarda...
Poetas de amanhã Poetas de amanhã (Walt Whitman) Poetas de amanhã: arautos, músicos, cantores...

Deixe uma resposta