No Campo

Print Friendly, PDF & Email

No Campo (Augusto dos Anjos)

Tarde. Um arroio canta pela umbrosa
Estrada; as águas límpidas alvejam
Com cristais. Aragem suspirosa
Agita os roseirais que ali vicejam.

No alto, entretanto, os astros rumorejam
Um presságio de noute luminosa
E ei-la que assoma – a Louca tenebrosa,
Branca, emergindo às trevas que a negrejam.

Chora a corrente múrmura, e, à dolente
Unção da noute, as flores também choram
Num chuveiro de pétalas, nitente,

Pendem e caem – os roseirais descoram
E elas bóiam no pranto da corrente
Que as rosas, ao luar, chorando enfloram.

Pau d’Arco – 1902

Publicações relacionadas

Se Quiserem que Eu Tenha um Mi... Se Quiserem que Eu Tenha um Misticismo (Alberto Caeiro) ...
Aceitarás o amor como eu o enc... Aceitarás o amor como eu o encaro ?... (Mário de Andrade) Aceitarás o amor co...
Os Peitos Os Peitos (Arnaldo Antunes) Mulheres têm dois peitos. Os homens têm ...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...

Deixe uma resposta