No Campo

Print Friendly, PDF & Email

No Campo (Augusto dos Anjos)

Tarde. Um arroio canta pela umbrosa
Estrada; as águas límpidas alvejam
Com cristais. Aragem suspirosa
Agita os roseirais que ali vicejam.

No alto, entretanto, os astros rumorejam
Um presságio de noute luminosa
E ei-la que assoma – a Louca tenebrosa,
Branca, emergindo às trevas que a negrejam.

Chora a corrente múrmura, e, à dolente
Unção da noute, as flores também choram
Num chuveiro de pétalas, nitente,

Pendem e caem – os roseirais descoram
E elas bóiam no pranto da corrente
Que as rosas, ao luar, chorando enfloram.

Pau d’Arco – 1902

Publicações relacionadas

Pregão Pregão (Mario Benedetti) Tradução Senhor que não me olha olhe um pouco e...
Lento mas vem Lento mas vem (Mario Benedetti) Do livro "Pe...
El limonero El limonero (Antonio Machado) El limonero lánguido suspende una pálida rama...
Alucinação Alucinação (Cruz e Souza) Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas, Ondas em co...

Deixe uma resposta