Ariana

Print Friendly, PDF & Email

Ariana (Augusto dos Anjos)

Ela é o tipo perfeito da ariana,
Branca, nevada, púbere, mimosa,
A carne exuberante e capitosa
Trescala a essência que de si dimana.

As níveas pomas do candor da rosa,
Rendilhando-lhe o colo de sultana,
Emergem da camisa cetinosa
Entre as rendas sutis de filigrana.

Dorme talvez. Em flácido abandono
Lembra formosa no seu casto sono
A languidez dormente da indiana,

Enquanto o amante pálido, a seu lado
Medita, a fronte triste, o olhar velado
No Mistério da Carne Soberana

Publicações relacionadas

Um mancebo no jogo se descora Um mancebo no jogo se descora - Soneto (Álvares de Azevedo) Um mancebo no jog...
Quem faz a História Quem faz a História (Bertold Brecht) Quem construiu a Tebas das sete portas? ...
Pastor do Monte Pastor do Monte (Alberto Caeiro) Pastor do monte, tão longe de mim com as t...
Duas Estrofes Duas Estrofes (Augusto dos Anjos) A queda do teu lírico arrabil De um sentim...

Deixe uma resposta