Nicolás Guillén

Canto negro

Print Friendly, PDF & Email

Canto negro (Nicolás Guillén)

De Sóngoro cosongo

¡Yambambó, yambambé!
Repica el congo solongo,
repica el negro bien negro;
congo solongo del Songo
baila yambó sobre un pie.

Mamatomba,
serembe cuserembá.

El negro canta y se ajuma,
el negro se ajuma y canta,
el negro canta y se va.
Acuememe serembó,

yambó,
aé.

Tamba, tamba, tamba, tamba,
tamba del negro que tumba;
tumba del negro, caramba,
caramba, que el negro tumba:
¡yamba, yambó, yambambé!

Publicações relacionadas

A Exceção e a Regra A Exceção e a Regra (Bertold Brecht) Estranhem o que não for estranho. Tomem...
Garoto Garoto (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrer...
Para onde fores, Pai, para ond... Para onde fores, Pai, para onde fores... (Augusto dos Anjos) Sonetos ...
Triste Regresso Triste Regresso (Augusto dos Anjos) Uma vez um poeta, um tresloucado, Apaixo...

Deixe uma resposta