Apostrofe à Carne

Print Friendly, PDF & Email

Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos)

Quando eu pego nas carnes do meu rosto.
Pressinto o fim da orgânica batalha:
Olhos que o húmus necrófago estraçalha,
Diafragmas, decompondo-se, ao sol posto…

E o Homem — negro e heteróclito composto,
Onde a alva flama psíquica trabalha,
Desagrega-se e deixa na mortalha
O tacto, a vista, o ouvido, o olfato e o gosto!

Carne, feixe de mônadas bastardas,
Conquanto em flâmeo fogo efêmero ardas,
A dardejar relampejantes brilhos,

Dói-me ver, muito embora a alma te acenda,
Em tua podridão a herança horrenda,
Que eu tenho de deixar para os meus filhos!

Publicações relacionadas

Canto de regresso à patria Canto de regresso à patria (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares ...
Ecos d’Alma Ecos d’Alma (Augusto dos Anjos) Oh! madrugada de ilusões, santíssima, Sombra...
Estou Doente Estou Doente (Alberto Caeiro) Estou doente. Meus pensamentos começam a est...
Andorinha Andorinha (Manuel Bandeira) Andorinha lá fora está dizendo: — "Passei o di...

Deixe uma resposta