Apostrofe à Carne

Print Friendly, PDF & Email

Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos)

Quando eu pego nas carnes do meu rosto.
Pressinto o fim da orgânica batalha:
Olhos que o húmus necrófago estraçalha,
Diafragmas, decompondo-se, ao sol posto…

E o Homem — negro e heteróclito composto,
Onde a alva flama psíquica trabalha,
Desagrega-se e deixa na mortalha
O tacto, a vista, o ouvido, o olfato e o gosto!

Carne, feixe de mônadas bastardas,
Conquanto em flâmeo fogo efêmero ardas,
A dardejar relampejantes brilhos,

Dói-me ver, muito embora a alma te acenda,
Em tua podridão a herança horrenda,
Que eu tenho de deixar para os meus filhos!

Publicações relacionadas

Lubricidade Lubricidade (Cruz e Souza) Quisera ser a serpe venenosa Que dá-te...
Primavera Primavera (Augusto dos Anjos) ...
Proverbios y cantares Proverbios y cantares (Antonio Machado) I Nunca perseguí la gloria ni ...
Gênio das trevas lúgubres, aco... Gênio das trevas lúgubres, acolhe-me (Augusto dos Anjos) Soneto Gênio das ...

Deixe uma resposta