Apostrofe à Carne

Print Friendly, PDF & Email

Apostrofe à Carne (Augusto dos Anjos)

Quando eu pego nas carnes do meu rosto.
Pressinto o fim da orgânica batalha:
Olhos que o húmus necrófago estraçalha,
Diafragmas, decompondo-se, ao sol posto…

E o Homem — negro e heteróclito composto,
Onde a alva flama psíquica trabalha,
Desagrega-se e deixa na mortalha
O tacto, a vista, o ouvido, o olfato e o gosto!

Carne, feixe de mônadas bastardas,
Conquanto em flâmeo fogo efêmero ardas,
A dardejar relampejantes brilhos,

Dói-me ver, muito embora a alma te acenda,
Em tua podridão a herança horrenda,
Que eu tenho de deixar para os meus filhos!

Publicações relacionadas

Os gatos Os gatos (Charles Pierre Baudelaire) ...
Quem cá quiser viver, seja um ... Quem cá quiser viver, seja um Gatão (Gregório de Matos) Se souberas falar tam...
Outros Outros (Oscar Wilde) "uma coisa não se torna necessariamente verdadeira por a...
Propriedade do perdido Propriedade do perdido (Mario Benedetti) Do ...

Deixe uma resposta