Apocalipse

Print Friendly, PDF & Email

Apocalipse (Augusto dos Anjos)

Minha divinatória Arte ultrapassa
os séculos efêmeros e nota
Diminuição dinâmica, derrota
Na atual força, integérrima, da Massa.

É a subversão universal que ameaça
A Natureza, e, em noite aziaga e ignota,
Destrói a ebulição que a água alvorota
E põe todos os astros na desgraça!

São despedaçamentos, derrubadas,
Federações sidéricas quebradas…
E eu só, o último a ser, pelo orbe adeante,

Espião da cataclísmica surpresa
A única luz tragicamente acesa
Na universalidade agonizante!

Publicações relacionadas

Musica misteriosa… Musica misteriosa... (Augusto dos Anjos) Tenda de Estrelas níveas, reful...
Vestida de preto Vestida de preto (Mário de Andrade) Tanto andam agora preocupados em definir ...
O cântico da terra O cântico da terra (Cora Coralina) Eu sou a terra, eu sou a vida. Do meu bar...
Círculo vicioso Círculo vicioso (Machado de Assis) Bailando no ar, gemia inquieto vagalume: ...

Deixe uma resposta