Apocalipse

Print Friendly, PDF & Email

Apocalipse (Augusto dos Anjos)

Minha divinatória Arte ultrapassa
os séculos efêmeros e nota
Diminuição dinâmica, derrota
Na atual força, integérrima, da Massa.

É a subversão universal que ameaça
A Natureza, e, em noite aziaga e ignota,
Destrói a ebulição que a água alvorota
E põe todos os astros na desgraça!

São despedaçamentos, derrubadas,
Federações sidéricas quebradas…
E eu só, o último a ser, pelo orbe adeante,

Espião da cataclísmica surpresa
A única luz tragicamente acesa
Na universalidade agonizante!

Publicações relacionadas

Árvores do Alentejo Árvores do Alentejo (Florbela Espanca) Horas mortas... curvadas aos pés do Mo...
Cítara mística Cítara mística (Augusto dos Anjos) Cantas... E eu ouço etérea cavatina! Há...
Campos de Soria Campos de Soria (Antonio Machado) I Es la tierra de Soria, árida y fría....
Hagamos un trato Hagamos un trato (Mario Benedetti) do livro ...

Deixe uma resposta