Nicolás Guillén

Elegia

Print Friendly, PDF & Email

Elegia (Nicolás Guillén)

De “El son entero” – 1947
Tradução de Thiago de Mello

Pelo caminho do mar
veio o pirata,
mensageiro do Espírito Mau,
com sua cara de um só olhar,
e com sua monótona perna
de pau
Pelo caminho do mar.

Há que aprender a recordar
o que as nuvens não podem esquecer.

Pelo caminho do mar,
com o jasmim e com o touro,
com a farinha e com o ferro,
o negro, para fabricar
o ouro;
para chorar seu desterro
pelo caminho do mar.

Como vais esquecer
o que as nuvens ainda podem recordar?

Pelo caminho do mar,
o pergaminho da lei,
a vara para malmedir,
o látego para castigar,
a síflis do vice-rei,
e a morte, para dormir
sem despertar,
pelo caminho do mar.

Dura lembrança lembrar
o que as nuvens não podem esquecer
pelo caminho do mar.

Publicações relacionadas

Preceito 10 Preceito 10 (Gregório de Matos) Graças a Deus que cheguei a coroar meus d...
Amor e Religião Amor e Religião (Augusto dos Anjos) Conheci-o: era um padre, um desses santos...
Los Espejos Los Espejos (Jorge Luis Borges) Yo que sentí el horror de los espejos no só...
Meu Desejo Meu Desejo (Álvares de Azevedo) Meu desejo? Era ser a luva branca Que essa t...

Deixe uma resposta