Nicolás Guillén

Elegia

Print Friendly, PDF & Email

Elegia (Nicolás Guillén)

De “El son entero” – 1947
Tradução de Thiago de Mello

Pelo caminho do mar
veio o pirata,
mensageiro do Espírito Mau,
com sua cara de um só olhar,
e com sua monótona perna
de pau
Pelo caminho do mar.

Há que aprender a recordar
o que as nuvens não podem esquecer.

Pelo caminho do mar,
com o jasmim e com o touro,
com a farinha e com o ferro,
o negro, para fabricar
o ouro;
para chorar seu desterro
pelo caminho do mar.

Como vais esquecer
o que as nuvens ainda podem recordar?

Pelo caminho do mar,
o pergaminho da lei,
a vara para malmedir,
o látego para castigar,
a síflis do vice-rei,
e a morte, para dormir
sem despertar,
pelo caminho do mar.

Dura lembrança lembrar
o que as nuvens não podem esquecer
pelo caminho do mar.

Publicações relacionadas

Chove. É dia de Natal Chove. É dia de Natal (Fernando Pessoa) Chove. É dia de Natal. Lá para o No...
Em pé Em pé (Mario Benedetti) Do livro "Inventário"...
Noiturno do Adoescente Morto Noiturno do Adoescente Morto (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
Serpentes de cabelos Serpentes de cabelos (Augusto dos Anjos) A tua trança negra e desmanchad...

Deixe uma resposta