O silêncio e o mar

Print Friendly, PDF & Email

O silêncio e o mar (Mario Benedetti)

Do livro “Geografias”
Tradução de Julio Luís Gehlen

e o silêncio do mar, e o de sua vida
José Hierro

O silêncio do mar
brama um juízo infinito
mais concentrado que o de um cântaro
mais implacável que duas gotas

quer aproxime o horizonte ou nos entregue
a morte azul das medusas
nossas suspeitas não o deixam

o mar escuta como um surdo
é insensível como um deus
e sobrevive aos sobreviventes

nunca saberei o que espero dele
nem que juras deixa atrás dos meus passos
mas quando esses olhos se fartam de ladrilhos
e esperam entre o plano e as colinas
ou em ruas que se fecham em mais ruas
então sim me sinto um náufrago
e só o mar pode salvar-me.

Publicações relacionadas

Tão linda e serena e bela Tão linda e serena e bela (Mário Quintana) Coração que bate-bate... Antes ...
A umas saudades A umas saudades (Gregório de Matos) Parti, coração, parti, navegai sem vos ...
Assim como falham as palavras Assim como falham as palavras (Alberto Caeiro) Assim como falham as palavr...
Subversiva Subversiva (Ferreira Gullar) A poesia quando chega não respeita nada. Nem ...

Deixe uma resposta