Debussy

Print Friendly, PDF & Email

Debussy (Manuel Bandeira)

Para cá, para lá . . .
Para cá, para lá . . .
Um novelozinho de linha . . .
Para cá, para lá . . .
Para cá, para lá . . .
Oscila no ar pela mão de uma criança
(Vem e vai . . .)
Que delicadamente e quase a adormecer o balança
— Psio . . . —
Para cá, para lá . . .
Para cá e . . .
— O novelozinho caiu.

Publicações relacionadas

Pecadora Pecadora (Augusto dos Anjos) Arte ingrata! E conquanto, em desalento, A órb...
Há homens que lutam um dia Há homens que lutam um dia (Bertold Brecht) Há homens que lutam um dia, e são...
Decadência Decadência (Augusto dos Anjos) Iguais às linhas perpendiculares Caíram, como...
Vandalismo Vandalismo (Augusto dos Anjos) Meu coração tem catedrais imensas, Templos de...

Deixe uma resposta