Remorso póstumo

Print Friendly, PDF & Email

Remorso póstumo/strong> (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Guilherme de Almeida

Quando fores dormir, ó bela tenebrosa,
Num negro mausoléu de mármores, e não
Tiveres por alcova e morada senão
Uma fossa profunda e uma tumba chuvosa;

Quando a pedra, oprimindo essa carne medrosa
E esses flancos sensuais de morna lassidão,
Impedir de querer e arfar teu coração
E teus pés a seguir a trilha venturosa,

O túmulo, que tem um confidente em mim
– Porque o túmulo sempre há de entender ao poeta -,
Na insônia sepulcral dessas noites sem fim,

Dir-te-á: “De que serviu, cortesã incompleta,
Não ter tido o que em vão choram os mortos sós?
– E o verme te roerá como um remorso atroz.

Publicações relacionadas

Gozo os Campos Gozo os Campos (Alberto Caeiro) Gozo os campos sem reparar para eles. ...
Só (Florbela Espanca) Eu tenho pena da Lua! Tanta pena, coitadinha, Quando ...
A orillas del Duero A orillas del Duero (Antonio Machado) Mediaba el mes de julio. Era un hermoso...
Tempos sombrios Tempos sombrios (Bertold Brecht) Realmente, vivemos tempos sombrios! A inocê...

Deixe uma resposta