Remorso póstumo

Print Friendly, PDF & Email

Remorso póstumo/strong> (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Guilherme de Almeida

Quando fores dormir, ó bela tenebrosa,
Num negro mausoléu de mármores, e não
Tiveres por alcova e morada senão
Uma fossa profunda e uma tumba chuvosa;

Quando a pedra, oprimindo essa carne medrosa
E esses flancos sensuais de morna lassidão,
Impedir de querer e arfar teu coração
E teus pés a seguir a trilha venturosa,

O túmulo, que tem um confidente em mim
– Porque o túmulo sempre há de entender ao poeta -,
Na insônia sepulcral dessas noites sem fim,

Dir-te-á: “De que serviu, cortesã incompleta,
Não ter tido o que em vão choram os mortos sós?
– E o verme te roerá como um remorso atroz.

Publicações relacionadas

Ouço dizer que contra mim foi ... Ouço dizer que contra mim foi alegado (Walt Whitman) Ouço dizer que contra mi...
O inútil luar O inútil luar (Manuel Bandeira) É noite. A Lua, ardente e terna, Verte na so...
Lundu do Escritor Difícil Lundu do Escritor Difícil (Mário de Andrade) Eu sou um escritor difícil Que...
Cultura Cultura (Arnaldo Antunes) O girino é o peixinho do sapo. O silêncio é o come...

Deixe uma resposta