Começo a conhecer-me. Não existo.

Print Friendly, PDF & Email

Começo a conhecer-me. Não existo. (Álvaro de Campos)

Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
Ou metade desse intervalo, porque também há vida…
Sou isso, enfim…
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos
no corredor.
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
É um universo barato.

Publicações relacionadas

Baladas de uma outra terra Baladas de uma outra terra (Fernando Pessoa) Baladas de uma outra terra, alia...
Um Dia de Chuva Um Dia de Chuva (Alberto Caeiro) Um dia de chuva é tão belo como um dia de so...
O que quer dizer O que quer dizer (Paulo Leminski) O que quer dizer, diz. Não fica fazendo ...
Cotidiana 1 Cotidiana 1 (Mario Benedetti) Do livro "Inve...

Deixe uma resposta