Começo a conhecer-me. Não existo.

Print Friendly, PDF & Email

Começo a conhecer-me. Não existo. (Álvaro de Campos)

Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
Ou metade desse intervalo, porque também há vida…
Sou isso, enfim…
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos
no corredor.
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
É um universo barato.

Publicações relacionadas

Mucho más grave Mucho más grave (Mario Benedetti) Todas las parcelas de mi vida tienen algo t...
A donzela e o fantasma –... A donzela e o fantasma - III (Oscar Wilde) CAPÍTULO III Na manhã seguinte, d...
O impossível carinho O impossível carinho (Mário de Andrade) Escuta, eu não quero contar-te o meu ...
Porquinho-da-Índia Porquinho-da-Índia (Manuel Bandeira) Quando eu tinha seis anos Ganhei um por...

Deixe uma resposta