Começo a conhecer-me. Não existo.

Print Friendly, PDF & Email

Começo a conhecer-me. Não existo. (Álvaro de Campos)

Começo a conhecer-me. Não existo.
Sou o intervalo entre o que desejo ser e os outros me fizeram,
Ou metade desse intervalo, porque também há vida…
Sou isso, enfim…
Apague a luz, feche a porta e deixe de ter barulhos de chinelos
no corredor.
Fique eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
É um universo barato.

Publicações relacionadas

Ao Entardecer Ao Entardecer (Alberto Caeiro) De O...
Pouco a Pouco Pouco a Pouco (Alberto Caeiro) Pouco a pouco o campo se alarga e se doura. ...
Dispersão Dispersão (Mário de Sá Carneiro) Perdi-me dentro de mim Porque eu era labir...
Cessa o teu canto! Cessa o teu canto! (Fernando Pessoa) Cessa o teu canto! Cessa, que, enqua...

Deixe uma resposta