Alucinação à Beira-mar

Print Friendly, PDF & Email

Alucinação à Beira-mar (Augusto dos Anjos)

Um medo de morrer meus pés esfriava.
Noite alta. Ante o telúrico recorte,
Na diuturna discórdia, a equórea coorte
Atordoadoramente ribombava!

Eu, ególatra céptico, cismava
Em meu destino!… O vento estava forte
E aquela matemática da Morte
Com os seus números negros me assombrava!

Mas a alga usufructuária dos oceanos
E os malacopterígios subraquianos
Que um castigo de espécie emudeceu,

No eterno horror das convulsões marítimas
Pareciam também corpos de vítimas
Condenadas à Morte, assim como eu!

Publicações relacionadas

A minha vida é um barco abando... A minha vida é um barco abandonado (Fernando Pessoa) A minha vida é um barco...
Para o livro do Aníbal Beça Para o livro do Aníbal Beça (Thiago de Mello Não faço prefácio. Faço um can...
No te salves No te salves (Mario Benedetti) No te quedes inmóvil al borde del camino, no...
Se Quiserem que Eu Tenha um Mi... Se Quiserem que Eu Tenha um Misticismo (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta