Alucinação à Beira-mar

Print Friendly, PDF & Email

Alucinação à Beira-mar (Augusto dos Anjos)

Um medo de morrer meus pés esfriava.
Noite alta. Ante o telúrico recorte,
Na diuturna discórdia, a equórea coorte
Atordoadoramente ribombava!

Eu, ególatra céptico, cismava
Em meu destino!… O vento estava forte
E aquela matemática da Morte
Com os seus números negros me assombrava!

Mas a alga usufructuária dos oceanos
E os malacopterígios subraquianos
Que um castigo de espécie emudeceu,

No eterno horror das convulsões marítimas
Pareciam também corpos de vítimas
Condenadas à Morte, assim como eu!

Publicações relacionadas

A Um Epilético A Um Epilético (Augusto dos Anjos) Perguntarás quem sou?! — ao suor que te un...
Minha grande ternura Minha grande ternura (Manuel Bandeira) Minha grande ternura Pelos passarinho...
Encontro de rua Encontro de rua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Paulo César Pimente...
Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...

Deixe uma resposta