Canto do Meu Canto

Print Friendly, PDF & Email

Canto do Meu Canto (Thiago de Mello)

Escrevi no chão do outrora
e agora me reconheço:
pelas minhas cercanias
passeio, mal me frequento.
Mas pelo pouco que sei
de mim, de tudo que fiz,
posso me ter por contente,
cheguei a servir à vida,
me valendo das palavras.
Mas dito seja, de uma vez por todas,
que nada faço por literatura,
que nada tenho a ver com a história,
mesmo concisa, das letras brasileiras.
Meu compromisso é com a vida do homem,
a quem trato de servir
com a arte do poema. Sei que a poesia
é um dom, nasceu comigo.
Assim trabalho o meu verso,
com buril, plaina, sintaxe.
Não basta ser bom de ofício.
Sem amor não se faz arte.

Trabalho que nem um mouro,
estou sempre começando.
Tudo dou, de ombros e braços,
e muito de coração,
na sombra da antemanhã,
empurrando o batelão
para o destino das águas.
(O barco vai no banzeiro,
meu destino no porão.)

Nada criei de novo.
Nada acrescentei às forma
tradicionais do verso.
Quem sou eu para criar coisas novas,
pôr no meu verso, Deus me livre, uma invenção.

Publicações relacionadas

A Máscara A Máscara (Augusto dos Anjos) Eu sei que há muito pranto na existência, Dore...
Sobre la poesía Sobre la poesía (Juan Gelman) habría un par de cosas que decir/ que nadie l...
O Oceano O Oceano (George Gordon Byron) (Tradução de Castro Alves) Rola, Oceano pro...
Saudade Saudade (Augusto dos Anjos) Hoje que a mágoa me apunhala o seio, E o coração...

Deixe uma resposta