Desejos Vãos

Print Friendly, PDF & Email

Desejos Vãos (Florbela Espanca)

Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o sol, a luz intensa
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão é ate da morte!

Mas o mar também chora de tristeza…
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos céus, os braços, como um crente!

E o sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as pedras… essas… pisá-as toda a gente!…
Florbela Espanca – Fanatismo

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não es sequer razão do meu viver,
Pois que tu es já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida…
Passo no mundo , meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
“Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu es como Deus: Princípio e Fim!…

Publicações relacionadas

A umas saudades A umas saudades (Gregório de Matos) Parti, coração, parti, navegai sem vos ...
Adélia por Adélia Adélia por Adélia (Adélia Prado) "Uma das mais remotas experiências poéticas ...
Lápide Lápide (Paulo Leminski) Lápide 1 epitáfio para o corpo Aqui jaz um g...
A minha Mãe A minha Mãe (Bertold Brecht) Tradu...

Deixe uma resposta