Os gatos

Print Friendly, PDF & Email

Os gatos (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Delfim Guimarães

Os loucos de paixão, e os sábios mais prudentes,
Tem um amor igual, quando sexagenários,
Por esses animais de pupilas ardentes
À sua imitação: friorentos, sedentários.

Devotos da ciência, amigos dos mistérios,
Procuram o silêncio, a treva, a quietação;
Por certo, eram de Erebo os ginetes funéreos,
Se a orgulhosa altivez dobram à escravidão.

Sabem tomar, sonhando, os modos imponentes
De esfinges colossais nas areias dormentes,
Num profundo dormir, num sonho peregrino;

Os fecundantes rins geram chispas elétricas,
E as pupilas a arder, em labaredas tétricas,
Tem brilhos de areal, fulgência de ouro fino!

Publicações relacionadas

Esta Tarde a Trovoada Caiu Esta Tarde a Trovoada Caiu (Alberto Caeiro) ...
Infeliz Infeliz (Augusto dos Anjos) Alma viúva das paixões da vida, Tu que, na estra...
Preceito 01 Preceito 01 (Gregório de Matos) Que de quilombos que tenho com mestres su...
Poetas de amanhã Poetas de amanhã (Walt Whitman) Poetas de amanhã: arautos, músicos, cantores...

Deixe uma resposta