Os gatos

Print Friendly, PDF & Email

Os gatos (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Delfim Guimarães

Os loucos de paixão, e os sábios mais prudentes,
Tem um amor igual, quando sexagenários,
Por esses animais de pupilas ardentes
À sua imitação: friorentos, sedentários.

Devotos da ciência, amigos dos mistérios,
Procuram o silêncio, a treva, a quietação;
Por certo, eram de Erebo os ginetes funéreos,
Se a orgulhosa altivez dobram à escravidão.

Sabem tomar, sonhando, os modos imponentes
De esfinges colossais nas areias dormentes,
Num profundo dormir, num sonho peregrino;

Os fecundantes rins geram chispas elétricas,
E as pupilas a arder, em labaredas tétricas,
Tem brilhos de areal, fulgência de ouro fino!

Publicações relacionadas

Pálida à Luz Pálida à Luz (Álvares de Azevedo) Pálida à luz da lâmpada sombria, Sobre o lei...
Gozo os Campos Gozo os Campos (Alberto Caeiro) Gozo os campos sem reparar para eles. ...
Neologismo Neologismo (Manuel Bandeira) Beijo pouco, falo menos ainda. Mas invento pala...
Depois da Orgia Depois da Orgia (Augusto dos Anjos) O prazer que na orgia a hetaíra goza Pro...

Deixe uma resposta