O que diz a morte

Print Friendly, PDF & Email

O que diz a morte (Antero de Quental)

Deixai-os vir a mim, os que lidaram;
Deixai-os vir a mim, os que padecem;
E os que cheios de mágoa e tédio encaram
As próprias obras vãs, de que escarnecem…

Em mim, os Sofrimentos que não saram,
Paixão, Dúvida e Mal, se desvanecem.
As torrentes da Dor, que nunca param,
Como num mar, em mim desaparecem. –

Assim a Morte diz. Verbo velado,
Silencioso intérprete sagrado
Das cousas invisíveis, muda e fria,

É, na sua mudez, mais retumbante
Que o clamoroso mar; mais rutilante,
Na sua noite, do que a luz do dia.

Publicações relacionadas

Canciones XXXVIII Canciones XXXVIII (Antonio Machado) Abril florecía frente a mi ventana. ...
Fragmento de um canto em corda... Fragmento de um canto em cordas de bronze (Álvares de Azevedo) Deixai qu...
Que falta nesta cidade? Verdad... Que falta nesta cidade? Verdade (Gregório de Matos) Que falta nesta cidade?....
Rosário Rosário (Vinicius de Moraes E eu que era um menino puro Não fui perder minha...

Deixe uma resposta