O que diz a morte

Print Friendly, PDF & Email

O que diz a morte (Antero de Quental)

Deixai-os vir a mim, os que lidaram;
Deixai-os vir a mim, os que padecem;
E os que cheios de mágoa e tédio encaram
As próprias obras vãs, de que escarnecem…

Em mim, os Sofrimentos que não saram,
Paixão, Dúvida e Mal, se desvanecem.
As torrentes da Dor, que nunca param,
Como num mar, em mim desaparecem. –

Assim a Morte diz. Verbo velado,
Silencioso intérprete sagrado
Das cousas invisíveis, muda e fria,

É, na sua mudez, mais retumbante
Que o clamoroso mar; mais rutilante,
Na sua noite, do que a luz do dia.

Publicações relacionadas

Senhora Dona Bahia Senhora Dona Bahia (Gregório de Matos) Senhora Dona Bahia, nobr...
Os poemas Os poemas (Mário Quintana) Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de ...
Na Morte De Um Combatente Da P... Na Morte De Um Combatente Da Paz (Bertold Brecht) Á memória de Carl von Ossie...
A água chia no púcaro que elev... A água chia no púcaro que elevo à boca (Alberto Caeiro) A água chia no p...

Deixe uma resposta