Regenerada

Print Friendly, PDF & Email

Regenerada (Augusto dos Anjos)

De mãos postas, à luz de frouxos círios
Rezas para as Estrelas do Infinito,
Para os Azuis dos siderais Empíreos
Das Orações o doloroso rito.

Todos os mais recônditos martírios,
As angústias mortais, teu lábio aflito
Soluça, em preces de luar e lírios,
Num trêmulo de frases inaudito.

Olhos, braços e lábios, mãos e seios,
Presos, d’estranhos, místicos enleios,
Já nas Mágoas estão divinizados.

Mas no teu vulto ideal e penitente
Parece haver todo o calor veemente
Da febre antiga de gentis Pecados.

Publicações relacionadas

Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...
Mote Mote (Gregório de Matos) De dous ff se compõe esta cidade a meu ver ...
Que falta aos jovens? Que falta aos jovens? (Mario Benedetti) Tradução Que falta aos jovens prov...
Descobrimento Descobrimento (Carlos Drummond de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Pau...

Deixe uma resposta