Soneto do Amigo

Print Friendly, PDF & Email

Soneto do Amigo (Vinicius de Moraes

Enfim, depois de tanto erro passado
Tantas realizações, tanto perigo
Eis que ressurge noutro o velho amigo
Nunca perdido, sempre reencontrado.

É bom sentá-lo novamente ao lado
Com olhos que contêm o olhar antigo
Sempre comigo um pouco atribulado
E como sempre singular comigo.

Um bicho igual a mim, simples e humano
Sabendo se mover e comover
E a disfarçar com o meu próprio engano.

O amigo: um ser que a vida não explica
Que só se vai ao ver outro nascer
E o espelho de minha alma multiplica…

Publicações relacionadas

Lundu do Escritor Difícil Lundu do Escritor Difícil (Mário de Andrade) Eu sou um escritor difícil Que...
O que Ouviu os Meus Versos O que Ouviu os Meus Versos (Alberto Caeiro) O que ouviu os meus versos disse...
Exausto Exausto (Adélia Prado) Eu quero uma licença de dormir, perdão pra descansa...
O Morcego O Morcego (Augusto dos Anjos) Meia noite. Ao meu quarto me recolho. Meu Deus...

Deixe uma resposta