Minha Finalidade

Print Friendly, PDF & Email

Minha Finalidade (Augusto dos Anjos)

Turbilhão teleológico incoercível,
Que força alguma inibitória acalma,
Levou-me o crânio e pôs-lhe dentro a palma
Dos que amam apreender o Inapreensível!

Predeterminação imprescriptível
Oriunda da infra-astral Substância calma
Plasmou, aparelhou, talhou minha alma
Para cantar de preferência o Horrível!

Na canonização emocionante,
Da dor humana, sou maior que Dante,
A águia dos latifúndios florentinos!

Sistematizo, soluçando, o Inferno…
E trago em mim, num sincronismo eterno
A fórmula de todos os destinos!

Publicações relacionadas

O Último poema O Último poema (Manuel Bandeira) Assim eu quereria o meu último poema Que f...
Qualquer pano, quando está suj... Qualquer pano, quando está sujo (Bertold Brecht) Qualquer pano, quando está s...
Vozes da Morte Vozes da Morte (Augusto dos Anjos) Agora, sim! Vamos morrer, reunidos, Tam...
O Laço de Fita O Laço de Fita (Castro Alves) Não sabes crianças? 'Stou louco de amores... ...

Deixe uma resposta