Poetas

Print Friendly, PDF & Email

Poetas (Florbela Espanca)

Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas tarnbém!

Publicações relacionadas

O Gramático O Gramático (Oswald de Andrade) Os negros discutiam Que o cavalo sipantou M...
Transgressões Transgressões (Mario Benedetti) Do livro "P...
Cultivo una rosa blanca Cultivo una rosa blanca (José Martí) De Versos Sencillos...
Alguien Alguien (Jorge Luis Borges) Un hombre trabajado por el tiempo, un hombre qu...

Deixe uma resposta