Poetas

Print Friendly, PDF & Email

Poetas (Florbela Espanca)

Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas tarnbém!

Publicações relacionadas

Um morto alegre Um morto alegre (Charles Pierre Baudelaire) ...
Paisagem noturna Paisagem noturna (Manuel Bandeira) A sombra imensa, a noite infinita enche o ...
A descoberta A descoberta (Oswald de Andrade) Seguimos nosso caminho por este mar de longo...
Braços Braços (Cruz e Souza) Braços nervosos, brancas opulências, Brumai...

Deixe uma resposta