Poetas

Print Friendly, PDF & Email

Poetas (Florbela Espanca)

Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas tarnbém!

Publicações relacionadas

Silêncio!… Silêncio!... (Florbela Espanca) No fadário que é meu, neste penar, Noite alt...
Poema de Sete Faces Poema de Sete Faces (Carlos Drummond de Andrade) Quando nasci, um anjo torto ...
Distante Melodia Distante Melodia (Mário de Sá Carneiro) Num sonho de Íris morto a oiro e bras...
Meninos carvoeiros Meninos carvoeiros (Manuel Bandeira) Os meninos carvoeiros Passam a caminho ...

Deixe uma resposta