O nascido depois

Print Friendly, PDF & Email

O nascido depois (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Eu confesso: eu
Não tenho esperança.
Os cegos falam de uma saída. Eu
Vejo.
Após os erros terem sido usados
Como última companhia, à nossa frente
Senta-se o Nada.

Publicações relacionadas

Adolescente Adolescente (Vladmir Maiakowski) A juventude tem mil ocupações. Estudamos gr...
Solte os cachorros Solte os cachorros - trechos do livro (Adélia Prado) " Pai que estais no céu ...
Se eu fosse um padre Se eu fosse um padre (Mário Quintana) Tão lenta e serena e bela e majestosa [v...
Chove ? Nenhuma chuva cai̷... Chove ? Nenhuma chuva cai... (Fernando Pessoa) Chove ? Nenhuma chuva cai... ...

Deixe uma resposta