O nascido depois

Print Friendly, PDF & Email

O nascido depois (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Eu confesso: eu
Não tenho esperança.
Os cegos falam de uma saída. Eu
Vejo.
Após os erros terem sido usados
Como última companhia, à nossa frente
Senta-se o Nada.

Publicações relacionadas

Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...
Oração Oração (Henry David Thoreau) Senhor! Não vos peço riqueza menor Do que a de ...
Orfandade Orfandade (Adélia Prado) Meu Deus, me dá cinco anos. Me dá um pé de fedego...
Vegetaciones Vegetaciones (Pablo Neruda) A las tierras sin nombres y sin números bajaba e...

Deixe uma resposta