O nascido depois

Print Friendly, PDF & Email

O nascido depois (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Eu confesso: eu
Não tenho esperança.
Os cegos falam de uma saída. Eu
Vejo.
Após os erros terem sido usados
Como última companhia, à nossa frente
Senta-se o Nada.

Publicações relacionadas

Irene no céu Irene no céu (Manuel Bandeira) Irene preta Irene boa Irene sempre de bom hu...
Dialética Dialética (Vinicius de Moraes É claro que a vida é boa E a alegria, a única...
A Noite Desce A Noite Desce (Alberto Caeiro) A noite desce, o calor soçobra um pouco...
Las moscas Las moscas (Antonio Machado) Vosotras, las familiares, inevitables golosas, ...

Deixe uma resposta