O nascido depois

Print Friendly, PDF & Email

O nascido depois (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Eu confesso: eu
Não tenho esperança.
Os cegos falam de uma saída. Eu
Vejo.
Após os erros terem sido usados
Como última companhia, à nossa frente
Senta-se o Nada.

Publicações relacionadas

Muito mais grave Muito mais grave (Mario Benedetti) Tradução Todas as partes de minha vida ...
Certa vez numa cidade Certa vez numa cidade (Walt Whitman) Certa vez eu passei por uma cidade bem ...
Autoretrato Autoretrato (Pablo Neruda) Por mi parte, soy o creo ser duro de nariz, mí...
Num Meio-Dia de Fim de Primave... Num Meio-Dia de Fim de Primavera (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta