O nascido depois

Print Friendly, PDF & Email

O nascido depois (Bertold Brecht)

Tradução de Paulo César de Souza

Eu confesso: eu
Não tenho esperança.
Os cegos falam de uma saída. Eu
Vejo.
Após os erros terem sido usados
Como última companhia, à nossa frente
Senta-se o Nada.

Publicações relacionadas

Versos íntimos Versos íntimos (Augusto dos Anjos) Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Ent...
O Meu Nirvana O Meu Nirvana (Augusto dos Anjos) Olha agora, mamífero inferior, A luz da e...
Tarde de Outono Tarde de Outono (Álvares de Azevedo) Un souvenir heureux est peut-être sur...
Pistas Pistas (Adélia Prado) Não pode ser uma ilusão fantástica o que nos faz domi...

Deixe uma resposta