Antes do nome

Print Friendly, PDF & Email

Antes do nome (Adélia Prado)

Não me importa a palavra, esta corriqueira.
Quero é o esplêndido caos de onde emerge a sintaxe,
os sítios escuros onde nasce o ‘de’, o ‘aliás’,
o ‘o’, o ‘porém’ e o ‘que’, esta incompreensível
muleta que me apóia.
Quem entender a linguagem entende Deus
cujo Filho é Verbo. Morre quem entender.
A palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda,
foi inventada para ser calada.
Em momentos de graça, infreqüentíssimos,
se poderá apanhá-la: um peixe vivo com a mão.
Puro susto e terror.

Publicações relacionadas

Neste momento terno e pensativ... Neste momento terno e pensativo (Walt Whitman) Neste momento terno e pensativ...
Los Ojos Los Ojos (Antonio Machado) Cuando murió su amada pensó en hacerse viejo e...
Coração Couraça Coração Couraça (Mario Benedetti) Do livro "...
Torre de ouro Torre de ouro (Cruz e Souza) Desta torre desfraldam-se altaneiras, ...

Deixe uma resposta