Antes do nome

Print Friendly, PDF & Email

Antes do nome (Adélia Prado)

Não me importa a palavra, esta corriqueira.
Quero é o esplêndido caos de onde emerge a sintaxe,
os sítios escuros onde nasce o ‘de’, o ‘aliás’,
o ‘o’, o ‘porém’ e o ‘que’, esta incompreensível
muleta que me apóia.
Quem entender a linguagem entende Deus
cujo Filho é Verbo. Morre quem entender.
A palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda,
foi inventada para ser calada.
Em momentos de graça, infreqüentíssimos,
se poderá apanhá-la: um peixe vivo com a mão.
Puro susto e terror.

Publicações relacionadas

Vozes da Morte Vozes da Morte (Augusto dos Anjos) Agora, sim! Vamos morrer, reunidos, Tam...
Elevação Elevação (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Eduardo Guimarães So...
Galo Galo Galo Galo (Ferreira Gullar) O galo no salão quieto. Galo galo de ala...
Ao Começar meus estudos Ao Começar meus estudos (Walt Whitman) Ao Começar meus estudos, me agradou t...

Deixe uma resposta