Antes do nome

Print Friendly, PDF & Email

Antes do nome (Adélia Prado)

Não me importa a palavra, esta corriqueira.
Quero é o esplêndido caos de onde emerge a sintaxe,
os sítios escuros onde nasce o ‘de’, o ‘aliás’,
o ‘o’, o ‘porém’ e o ‘que’, esta incompreensível
muleta que me apóia.
Quem entender a linguagem entende Deus
cujo Filho é Verbo. Morre quem entender.
A palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda,
foi inventada para ser calada.
Em momentos de graça, infreqüentíssimos,
se poderá apanhá-la: um peixe vivo com a mão.
Puro susto e terror.

Publicações relacionadas

No te salves No te salves (Mario Benedetti) No te quedes inmóvil al borde del camino, no...
Aurora Aurora (Adolfo Casais Monteiro) A poesia não é voz - é uma inflexão. Dizer,...
Poema começado no fim Poema começado no fim (Adélia Prado) Um corpo quer outro corpo. Uma alma que...
Descobrimento Descobrimento (Mário de Andrade) Abancado à escrivaninha em São Paulo Na min...

Deixe uma resposta