Antes do nome

Print Friendly, PDF & Email

Antes do nome (Adélia Prado)

Não me importa a palavra, esta corriqueira.
Quero é o esplêndido caos de onde emerge a sintaxe,
os sítios escuros onde nasce o ‘de’, o ‘aliás’,
o ‘o’, o ‘porém’ e o ‘que’, esta incompreensível
muleta que me apóia.
Quem entender a linguagem entende Deus
cujo Filho é Verbo. Morre quem entender.
A palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda,
foi inventada para ser calada.
Em momentos de graça, infreqüentíssimos,
se poderá apanhá-la: um peixe vivo com a mão.
Puro susto e terror.

Publicações relacionadas

Sabete aquí Sabete aquí (Mario Benedetti) Podés querer el alba cuando quieras he cons...
Estas Verdades Estas Verdades (Alberto Caeiro) Estas verdades não são perfeitas porque são...
Arte de amar Arte de amar (Manuel Bandeira) Se queres sentir a felicidade de amar, esquece...
Das utopias Das utopias (Mário Quintana) Se as coisas são inatingíveis... ora! não é m...

Deixe uma resposta