Inviation au Voyage

Print Friendly, PDF & Email

Inviation au Voyage (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Felipe D’Oliveira

Irmã… Filha… Pensa
na doçura imensa
da vida (os dois…) noutra paisagem…

Amar sem sofrer,
amar e morrer
no país feito à tua imagem…
Os sóis friorentos
desses céus nevoentos
tem para mim o mesmo encanto
misterioso e aziago
do teu olhar mago
brilhando sob um véu de pranto.

Lá, tudo é ordem… é riqueza…
e calma… e volúpia… e beleza.

Dos móveis amigos,
sem lustro, de antigos,
seria a alcova confidente…
Flores misteriosas,
casando, amorosas,
O seu perfume ao do âmbar quente,
os luxuosos tetos,
os espelhos quietos,
e morno esplendor oriental,
tudo… em grave calma,
falar-te-ia à alma
a sua doce língua natal.

Lá, tudo é ordem… é riqueza…
e calma… e volúpia… e beleza.

Vês?… Nos canais suaves
dormem naves… naves
cuja ansiedade é errar… é errar…
Tens um vago anhelo?
Só para atndê-lo
é que elas vem do fim do mar…

Os poentes maguados
vertem sobre os prados,
sobre os canais, sobre a cidade,
jacinto e ouro, em messe…
A terra adormece
numa serena claridade…

(Lá, tudo é ordem… é riqueza…
e calma… e volúpia… e beleza…)

Publicações relacionadas

Num Monumento à Aspirina Num Monumento à Aspirina (João Cabral de Melo Neto) ...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...
Ai, Jesus! Ai, Jesus! (Álvares de Azevedo) Ai, Jesus! Não vês que gemo, Que desmaio de ...
A privada A privada (Bertold Brecht) É um lugar onde nos sentimos bem Tendo acima as e...

Deixe uma resposta