Perfume exótico

Print Friendly, PDF & Email

Perfume exótico (Charles Pierre Baudelaire)

Tradução de Osório Dutra

Quando, em adoração, numa tarde de outono,
Respiro do teu seio e aroma delicioso,
Vejo desenrolar-se um remanso ditoso,
Sob a cintilação de um sol já no abandono!

Uma ilha preguiçosa e doce como o sono,
Com árvores que dão um fruto saboroso,
Mulheres cujo olhar, com franqueza, questiono,
Homens de corpo esguio e aspecto vigoroso,

Por teu odor levado ao clima de outros astros,
Vejo um porto surgir, com velames e mastros,
Ainda batidos pelas vagas do alto mar,

Enquanto que o frescor de mil tamarindeiros,
Que circula no espaço e me leva, a sonhar,
Se mistura, em minha alma, à voz dos marinheiros.

Publicações relacionadas

O Espelho O Espelho (Alberto Caeiro) O espelho reflecte certo; não erra porque não pe...
Puente Puente (Nicolás Guillén) De Odas Mínimas ¿Lejos? ...
O Fim Das Coisas O Fim Das Coisas (Augusto dos Anjos) Pode o homem bruto, adstricto à ciência ...
Ápice Ápice (Mário de Sá Carneiro) O raio do sol da tarde Que uma janela perdida ...

Deixe uma resposta