Retrato do artista quando coisa

Print Friendly, PDF & Email

Retrato do artista quando coisa (Manoel de Barros)

A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.

Nesse ponto
sou abastado.

Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito.

Não aguento ser apenas
um sujeito que abre
portas, que puxa
válvulas, que olha o
relógio, que compra pão
às 6 da tarde, que vai
lá fora, que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.

Perdoai. Mas eu
preciso ser Outros.

Eu penso
renovar o homem
usando borboletas.

Publicações relacionadas

A um poeta A um poeta (Antero de Quental) d...
Flor do mar Flor do mar (Augusto dos Anjos) És da origem do mar, vens do secreto, ...
Digo que não sou um homem puro... Digo que não sou um homem puro (Nicolás Guillén) ...
Sou um Guardador de Rebanhos Sou um Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta