Retrato do artista quando coisa

Print Friendly, PDF & Email

Retrato do artista quando coisa (Manoel de Barros)

A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.

Nesse ponto
sou abastado.

Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito.

Não aguento ser apenas
um sujeito que abre
portas, que puxa
válvulas, que olha o
relógio, que compra pão
às 6 da tarde, que vai
lá fora, que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.

Perdoai. Mas eu
preciso ser Outros.

Eu penso
renovar o homem
usando borboletas.

Publicações relacionadas

Supreme Convulsion Supreme Convulsion (Augusto dos Anjos) O equilíbrio do humano pensamento Sof...
A Louca A Louca (Augusto dos Anjos) A Dias Paredes Quando ela passa: - a veste des...
Los Pocillos Los Pocillos (Mario Benedetti) Los pocillos eran seis: dos rojos, dos negr...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...

Deixe uma resposta