Ao Luar

Print Friendly, PDF & Email

Ao Luar (Augusto dos Anjos)

Quando, à noite, o Infinito se levanta
A luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tactil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!

Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!

Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado,
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado…

Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

Publicações relacionadas

Toada sem alcool Toada sem alcool (Mário de Andrade) ... Ninguém sabe da solitude Que enche ...
Vive Vive (Alberto Caeiro) Vive, dizes, no presente, Vive só no presente. Mas ...
Lisbon revisited (1926) Lisbon revisited (1926) (Álvaro de Campos) Nada me prende a nada. Quero cin...
Esta é minha casa Esta é minha casa (Mario Benedetti) Do livro...

Deixe uma resposta