Espiritualismo

Print Friendly, PDF & Email

Espiritualismo (Antero de Quental)
de Sonetos

Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o voo dum pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas vagamente…

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que ideia gravitais?

Mas na imensa extensão onde se esconde
O inconsciente imortal só me responde
Um bramido, um queixume e nada mais.

Publicações relacionadas

Minha terra tem palmares Minha terra tem palmares (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares Onde g...
Nunca Sei Nunca Sei (Alberto Caeiro) Nunca sei como é que se pode achar um poente tr...
Amor de tarde Amor de tarde (Mario Benedetti) Do livro "Po...
O Deus-Verme O Deus-Verme (Augusto dos Anjos) Factor universal do transformismo. Filho da...

Deixe uma resposta