Evolução

Print Friendly, PDF & Email

Evolução (Antero de Quental)

de Sonetos

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo
tronco ou ramo na incógnita floresta…
Onda, espumei, quebrando-me na aresta
Do granito, antiquíssimo inimigo…

Rugi, fera talvez, buscando abrigo
Na caverna que ensombra urze e giesta;
O, monstro primitivo, ergui a testa
No limoso paul, glauco pascigo…

Hoje sou homem, e na sombra enorme
Vejo, a meus pés, a escada multiforme,
Que desce, em espirais, da imensidade…

Interrogo o infinito e às vezes choro…
Mas estendendo as mãos no vácuo, adoro
E aspiro unicamente à liberdade.

Publicações relacionadas

Perguntas de um operário que l... Perguntas de um operário que lê (Bertold Brecht) Quem construiu Tebas, a das ...
Poema do beco Poema do beco (Manuel Bandeira) Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a...
Soneto da separação Soneto da separação (Vinicius de Moraes De repente do riso fez-se o pranto ...
As tuas mãos terminam em segre... As tuas mãos terminam em segredo (Fernando Pessoa) As tuas mãos terminam em ...

Deixe uma resposta