Evolução

Print Friendly, PDF & Email

Evolução (Antero de Quental)

de Sonetos

Fui rocha em tempo, e fui no mundo antigo
tronco ou ramo na incógnita floresta…
Onda, espumei, quebrando-me na aresta
Do granito, antiquíssimo inimigo…

Rugi, fera talvez, buscando abrigo
Na caverna que ensombra urze e giesta;
O, monstro primitivo, ergui a testa
No limoso paul, glauco pascigo…

Hoje sou homem, e na sombra enorme
Vejo, a meus pés, a escada multiforme,
Que desce, em espirais, da imensidade…

Interrogo o infinito e às vezes choro…
Mas estendendo as mãos no vácuo, adoro
E aspiro unicamente à liberdade.

Publicações relacionadas

Presa do ódio Presa do ódio (Cruz e Souza) Da tu'alma na funda galeria Descendo às vezes, ...
Vou-me embora pra Pasárgada Vou-me embora pra Pasárgada (Manuel Bandeira) Vou-me embora pra Pasárgada L...
A desobediência civil – ... A desobediência civil - I (Henry David Thoreau) Aceito com entusiasmo o lema ...
Vencedor Vencedor (Augusto dos Anjos) Toma as espadas rútilas, guerreiro, E á rutilâ...

Deixe uma resposta