Preceito 08

Print Friendly, PDF & Email

Preceito 08 (Gregório de Matos)

As culpas, que me dão nele,

são, que em tudo o que digo,

me aparto do verdadeiro

com ânimo fementido.

Muito mais é, do que falo,

mas é grande barbarismo,

quererem, que pague a albarda,

o que comete o burrinho.

Se por minha desventura

estou cheia de percitos,

como querem, que haja em mim

fé, verdade, ou falar liso?

Se como atrás declarei,

se oudera cobro nisto,

a verdade aparecera

cruzando os braços comigo.

Mas como dos tribunais

proveito nenhum se há visto,

a mentira está na terra,

a verdade vai fugindo.

O certo é, que os mais deles

têm por gala, e por capricho

não abrir a boca nunca

sem mentir de fito a fito.

Deixar quero os pataratas,

e tornando a meu caminho,

quem quiser mentir o faça,

que me não toca impedi-lo.

Publicações relacionadas

Soneto do Amigo Soneto do Amigo (Vinicius de Moraes Enfim, depois de tanto erro passado Tant...
Versos íntimos Versos íntimos (Augusto dos Anjos) Vês?! Ninguém assistiu ao formidável Ent...
A Criança A Criança (Alberto Caeiro) A criança que pensa em fadas e acredita nas f...
Romance de la guardia civil es... Romance de la guardia civil española (Federico Garcia Lorca) ...

Deixe uma resposta