O convertido

Print Friendly, PDF & Email

O convertido (Antero de Quental)

de Sonetos

Entre os filhos dum século maldito
Tomei também lugar na ímpia mesa,
Onde, sob o folgar, geme a tristeza
Duma ânsia impotente de infinito.

Como os outros, cuspi no altar avito
Um rir feito de fel e de impureza…
Mas um dia abalou-se-me a firmeza,
Deu-me um rebate o coração contrito!

Erma, cheia de tédio e de quebranto,
Rompendo os diques ao represo pranto,
Virou-se para Deus minha alma triste!

Amortalhei na Fé o pensamento,
E achei a paz na inércia e esquecimento…
Só me falta saber se Deus existe!

Publicações relacionadas

Anseios Anseios (Florbela Espanca) Meu doido coração aonde vais, No teu imenso ansei...
Os Astros Íntimos Os Astros Íntimos (Thiago de Mello Consulto a luz dos meus astros, cada qua...
Canto de Onipotência Canto de Onipotência (Augusto dos Anjos) Cloto, Átropos, Tifon, Laquesis, Siv...
Amor e Religião Amor e Religião (Augusto dos Anjos) Conheci-o: era um padre, um desses santos...

Deixe uma resposta