O convertido

Print Friendly, PDF & Email

O convertido (Antero de Quental)

de Sonetos

Entre os filhos dum século maldito
Tomei também lugar na ímpia mesa,
Onde, sob o folgar, geme a tristeza
Duma ânsia impotente de infinito.

Como os outros, cuspi no altar avito
Um rir feito de fel e de impureza…
Mas um dia abalou-se-me a firmeza,
Deu-me um rebate o coração contrito!

Erma, cheia de tédio e de quebranto,
Rompendo os diques ao represo pranto,
Virou-se para Deus minha alma triste!

Amortalhei na Fé o pensamento,
E achei a paz na inércia e esquecimento…
Só me falta saber se Deus existe!

Publicações relacionadas

Deste Modo ou Daquele Modo Deste Modo ou Daquele Modo (Alberto Caeiro) ...
Últimas lamentaciones de Abel ... Últimas lamentaciones de Abel Martín (Antonio Machado) Hoy, con la primavera,...
Insônia Insônia (Augusto dos Anjos) Noite. Da Mágoa o espírito noctâmbulo Passou de...
Velhas tristezas Velhas tristezas (Cruz e Souza) Diluências de luz, velhas tristezas ...

Deixe uma resposta