O convertido

Print Friendly, PDF & Email

O convertido (Antero de Quental)

de Sonetos

Entre os filhos dum século maldito
Tomei também lugar na ímpia mesa,
Onde, sob o folgar, geme a tristeza
Duma ânsia impotente de infinito.

Como os outros, cuspi no altar avito
Um rir feito de fel e de impureza…
Mas um dia abalou-se-me a firmeza,
Deu-me um rebate o coração contrito!

Erma, cheia de tédio e de quebranto,
Rompendo os diques ao represo pranto,
Virou-se para Deus minha alma triste!

Amortalhei na Fé o pensamento,
E achei a paz na inércia e esquecimento…
Só me falta saber se Deus existe!

Publicações relacionadas

Regenerada Regenerada (Augusto dos Anjos) De mãos postas, à luz de frouxos círios ...
Aos Vícios Aos Vícios (Gregório de Matos) Eu sou aquele que os passados anos Cantei na ...
Evocação do Recife Evocação do Recife (Manuel Bandeira) Recife Não a Veneza americana Não a Ma...
Intimidades Intimidades (Charles Pierre Baudelaire) ...

Deixe uma resposta