Insânia de um Simples

Print Friendly, PDF & Email

Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos)

Em cismas patológicas insanas,
É-me grato adstringir-me, na hierarquia
Das formas vivas, à categoria
Das organizações liliputianas;

Ser semelhante aos zoófitos e às lianas,
Ter o destino de uma larva fria,
Deixar enfim na cloaca mais sombria
Este feixe de células humanas!

E enquanto arremedando Eolo iracundo,
Na orgia heliogabálica do mundo,
Ganem todos os vícios de uma vez,

Apraz-me, adstricto ao triângulo mesquinho
De um delta humilde, apodrecer sozinho
No silêncio de minha pequenez!

Publicações relacionadas

A privada A privada (Bertold Brecht) É um lugar onde nos sentimos bem Tendo acima as e...
Solilóquio de um Visionário Solilóquio de um Visionário (Augusto dos Anjos) Para desvirginar o labirinto ...
Minha Universidade Minha Universidade (Vladmir Maiakowski) Conheceis o francês, sabeis dividir...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXV (Pablo Neruda) Antes de amarte. amor, nada era mío...

Deixe uma resposta