Insânia de um Simples

Print Friendly, PDF & Email

Insânia de um Simples (Augusto dos Anjos)

Em cismas patológicas insanas,
É-me grato adstringir-me, na hierarquia
Das formas vivas, à categoria
Das organizações liliputianas;

Ser semelhante aos zoófitos e às lianas,
Ter o destino de uma larva fria,
Deixar enfim na cloaca mais sombria
Este feixe de células humanas!

E enquanto arremedando Eolo iracundo,
Na orgia heliogabálica do mundo,
Ganem todos os vícios de uma vez,

Apraz-me, adstricto ao triângulo mesquinho
De um delta humilde, apodrecer sozinho
No silêncio de minha pequenez!

Publicações relacionadas

Anelo Anelo (Johann Wofgang von Goethe) Tradução de Manuel Bandeira Só aos sáb...
Azul sobre amarelo, maravilha ... Azul sobre amarelo, maravilha e roxo (Adélia Prado) Desejo, como quem sente f...
Um morto alegre Um morto alegre (Charles Pierre Baudelaire) ...
Vozes do Mar Vozes do Mar (Florbela Espanca) Quando o sol vai caindo sobre as águas Num n...

Deixe uma resposta