De alma em alma

Print Friendly, PDF & Email

De alma em alma (Cruz e Souza)

Tu andas de alma em alma errando, errando,
como de santuário em santuário.
És o secreto e místico templário
As almas, em silêncio, contemplando.

Não sei que de harpas há em ti vibrando,
que sons de peregrino estradivário
Que lembras reverências de sacrário
E de vozes celestes murmurando.

Mas sei que de alma em alma andas perdido
Atrás de um belo mundo indefinido
De silêncio, de Amor, de Maravilha.

Vai! Sonhador das nobres reverências!
A alma da Fé tem dessas florescências,
Mesmo da Morte ressuscita e brilha!

Publicações relacionadas

O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...
Carta de José de Alencar Carta de José de Alencar(Machado de Assis) ...
La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...
Um cinturão Um cinturão (Graciliano Ramos) As minhas primeiras relações com a justiça for...

Deixe uma resposta