De alma em alma

Print Friendly, PDF & Email

De alma em alma (Cruz e Souza)

Tu andas de alma em alma errando, errando,
como de santuário em santuário.
És o secreto e místico templário
As almas, em silêncio, contemplando.

Não sei que de harpas há em ti vibrando,
que sons de peregrino estradivário
Que lembras reverências de sacrário
E de vozes celestes murmurando.

Mas sei que de alma em alma andas perdido
Atrás de um belo mundo indefinido
De silêncio, de Amor, de Maravilha.

Vai! Sonhador das nobres reverências!
A alma da Fé tem dessas florescências,
Mesmo da Morte ressuscita e brilha!

Publicações relacionadas

O Lázaro da Pátria O Lázaro da Pátria (Augusto dos Anjos) Filho podre de antigos Goitacases, Em...
Vice versa Vice versa (Mario Benedetti) Tenho medo de ver-te necessidade de ver-te esp...
Há Poetas que são Artistas Há Poetas que são Artistas (Alberto Caeiro) ...
Las moscas Las moscas (Antonio Machado) Vosotras, las familiares, inevitables golosas, ...

Deixe uma resposta