De alma em alma

Print Friendly, PDF & Email

De alma em alma (Cruz e Souza)

Tu andas de alma em alma errando, errando,
como de santuário em santuário.
És o secreto e místico templário
As almas, em silêncio, contemplando.

Não sei que de harpas há em ti vibrando,
que sons de peregrino estradivário
Que lembras reverências de sacrário
E de vozes celestes murmurando.

Mas sei que de alma em alma andas perdido
Atrás de um belo mundo indefinido
De silêncio, de Amor, de Maravilha.

Vai! Sonhador das nobres reverências!
A alma da Fé tem dessas florescências,
Mesmo da Morte ressuscita e brilha!

Publicações relacionadas

História de um vencido História de um vencido (Augusto dos Anjos) Sol alto. A terra escalda: é um f...
Alberto Caeiro Alberto Caeiro (1889-1915) POEMAS PUBLICADOS BIOGRAFIA: U...
A vida é um campo de milagres A vida é um campo de milagres (Thiago de Mello Entrevista com Thiago de Mello ...
N’augusta solidão dos cemitéri... N’augusta solidão dos cemitérios (Augusto dos Anjos) Soneto N’augusta soli...

Deixe uma resposta