Desencontrários

Print Friendly, PDF & Email

Desencontrários (Paulo Leminski)

Mandei a palavra rimar.
Ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
Em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
Sílaba silenciosa.

Mandei a frase sonhar,
E ela se foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
Para conquistar um império extinto.

Publicações relacionadas

Vestida de preto Vestida de preto (Mário de Andrade) Tanto andam agora preocupados em definir ...
Quero quero Quero quero (Manuel Bandeira) Quero a solidão dos píncaros A água da fonte e...
Círculo Círculo (Adélia Prado) Na sala de janta da pensão tinha um jogo de taças ro...
Pepa Pepa (Antero de Quental) Dá-me pois olhos e lábios; Da-me os seios, da-me o...

Deixe uma resposta