Desencontrários

Print Friendly, PDF & Email

Desencontrários (Paulo Leminski)

Mandei a palavra rimar.
Ela não me obedeceu.
Falou em mar, em céu, em rosa,
Em grego, em silêncio, em prosa.
Parecia fora de si,
Sílaba silenciosa.

Mandei a frase sonhar,
E ela se foi num labirinto.
Fazer poesia, eu sinto, apenas isso.
Dar ordens a um exército,
Para conquistar um império extinto.

Publicações relacionadas

O Buraco do Espelho O Buraco do Espelho (Arnaldo Antunes) o buraco do espelho está fechado agora...
A Inês A Inês (George Gordon Byron) Não me sorrias à sombria fronte, Ai! sorrir eu ...
Morte Vida Severina Morte Vida Severina (João Cabral de Melo Neto) ------------------------------...
Quando eu Quando eu (Alberto Caeiro) Quando eu não te tinha Amava a Natureza como um ...

Deixe uma resposta