Profissão de febre

Print Friendly, PDF & Email

Profissão de febre (Paulo Leminski)

Quando chove,
Eu chovo,
Faz sol,
Eu faço,
De noite,
Anoiteço,
Tem Deus,
Eu rezo,
Não tem,
Esqueço,
Chove de novo,
De novo, chovo,
Assobio no vento,
Daqui me vejo,
Lá vou eu,
Gesto no movimento.

Publicações relacionadas

Madrigal à cibdá de Santiago Madrigal à cibdá de Santiago (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos (193...
Opiniones Opiniones (Juan Gelman) Do livro "Gotán" Un ...
Mors — Amor Mors — Amor (Antero de Quental) Esse negro corcel, cujas passadas Escuto em ...
Quem me Dera que eu Fosse o Pó... Quem me Dera que eu Fosse o Pó da Estrada (Alberto Caeiro) ...

Deixe uma resposta