Autopsicografia

Print Friendly, PDF & Email

Autopsicografia (Fernando Pessoa)

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Publicações relacionadas

Ideal Ideal (Augusto dos Anjos) Quero-te assim, formosa entre as formosas, No olha...
Quem não sabe de ajuda Quem não sabe de ajuda (Bertold Brecht) Como pode a voz que vem das casas Se...
Confesso eu sou poeta Confesso eu sou poeta (Paulo Leminski) parem eu confesso sou poeta ca...
Gozo insatisfeito Gozo insatisfeito (Augusto dos Anjos) Entre o gozo que aspiro, e o sofrimento...

Deixe uma resposta