Autopsicografia

Print Friendly, PDF & Email

Autopsicografia (Fernando Pessoa)

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Publicações relacionadas

A beleza A beleza (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Guilherme de Almeida Sou...
Eu … Eu ... (Florbela Espanca) Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que n...
Chove. Há silêncio, porque a m... Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa) Chove. Há silênci...
Poemas malditos Poemas malditos (Álvares de Azevedo) De tanta inspiração e tanta vida Que os...

Deixe uma resposta