Romanxe de Nossa Señora da Barca

Print Friendly, PDF & Email

Romanxe de Nossa Señora da Barca (Federico Garcia Lorca)

Seis Poemas Galegos (1935)

¡Ay ruada, ruada, ruada
da Virxen pequena
e a sua barca!

A virxen era pequena
e a súa coroa de prata.
Marelos os catro bois
que no seu carro a levaban.

Pompas de vidro traguían
a choiva pol-a montana.
Mortas e mortos de néboa
pol-as congostras chegaban.

Virxen, deixa a túa cariña
nos doce ollos das vacas
e leva sobr’o teu manto
as frores da amortallada!

Pol-a testa da Galicia
xa ven salaindo a i-alba.
A Virxen mira pra o mar
dend’a porta da súa casa.

¡Ay ruada, ruada, ruada
da Virxen pequena
e a sua barca!

Publicações relacionadas

A alcova A alcova (Fernando Pessoa) Desce não se por onde Até não me encontrar. ...
Epístola sobre o suicídio Epístola sobre o suicídio (Bertold Brecht) ...
A Canção do Africano A Canção do Africano (Castro Alves) Lá na úmida senzala, Sentado na estreita...
Sabe-te aqui Sabe-te aqui (Mario Benedetti) Tradução Podes querer o alvorecer quando q...

Deixe uma resposta