Demogorgon

Print Friendly, PDF & Email

Demogorgon (Álvaro de Campos)

Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gente que anda.
Uma tristeza cheia de pavor esfria-me.
Pressinto um acontecimento do lado de lá das frontarias e dos movimentos.

Não, não, isso não!
Tudo menos saber o que é Mistério!
Superfície do Universo, ó Pálpebras Descidas,
Não vos ergais nunca!

Deixai-me viver sem saber nada, e morrer sem ir saber nada!
A razão de haver ser, a razão de haver seres, de haver tudo,
Deve trazer uma loucura maior que os espaços
Entre almas e entre as estrelas.

Não, não, a verdade não! Deixai-me estas casas e esta gente;
Assim mesmo, sem mais nada, estas casas e esta gente…
Que abafo horrível e frio que me toca em olhos fechados?
Não os quero abrir de viver! Ó Verdade, esquece-te de mim!

Publicações relacionadas

Não me fechem as portas Não me fechem as portas (Walt Whitman) Não me fechem as portas, orgulhosas b...
Pé Dentro, Pé Fora Pé Dentro, Pé Fora (Mário de Andrade) ...
Abat-Jour Abat-Jour (Fernando Pessoa) A lâmpada acesa (Outrem a acendeu) Baixa uma ...
Para um estranho Para um estranho (Walt Whitman) Tradução de Oswaldino Marques Estranho q...

Deixe uma resposta