Demogorgon

Print Friendly, PDF & Email

Demogorgon (Álvaro de Campos)

Na rua cheia de sol vago há casas paradas e gente que anda.
Uma tristeza cheia de pavor esfria-me.
Pressinto um acontecimento do lado de lá das frontarias e dos movimentos.

Não, não, isso não!
Tudo menos saber o que é Mistério!
Superfície do Universo, ó Pálpebras Descidas,
Não vos ergais nunca!

Deixai-me viver sem saber nada, e morrer sem ir saber nada!
A razão de haver ser, a razão de haver seres, de haver tudo,
Deve trazer uma loucura maior que os espaços
Entre almas e entre as estrelas.

Não, não, a verdade não! Deixai-me estas casas e esta gente;
Assim mesmo, sem mais nada, estas casas e esta gente…
Que abafo horrível e frio que me toca em olhos fechados?
Não os quero abrir de viver! Ó Verdade, esquece-te de mim!

Publicações relacionadas

No meu peito arde em chamas ab... No meu peito arde em chamas abrasada (Augusto dos Anjos) Soneto No meu pei...
Romanxe de Nossa Señora da Bar... Romanxe de Nossa Señora da Barca (Federico Garcia Lorca) Seis Poemas Galegos ...
Soneto de natal Soneto de natal(Machado de Assis) Um homem, — era aquela noite amiga, Noit...
Cien Sonetos de Amor – X... Cien Sonetos de Amor - XXV (Pablo Neruda) Antes de amarte. amor, nada era mío...

Deixe uma resposta