Jamais Te Amei Tanto

Print Friendly, PDF & Email

Jamais Te Amei Tanto (Bertold Brecht)

Jamais te amei tanto, ma soeur
Como ao te deixar naquele pôr do sol
O bosque me engoliu, o bosque azul, ma soeur
Sobre o qual sempre ficavam as estrelas pálidas
No Oeste.
Eu ri bem pouco, não ri, ma soeur
Eu que brincava ao encontro do destino negro –
Enquanto os rostos atrás de mim lentamente
Iam desaparecendo no anoitecer do bosque azul.
Tudo foi belo nessa tarde única, ma soeur
Jamais igual, antes ou depois –
É verdade que me ficaram apenas os pássaros
Que à noite sentem fome no negro céu.

Publicações relacionadas

O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...
Bacanal Bacanal (Manuel Bandeira) Quero beber! cantar asneiras No esto brutal das be...
Anunciação sem oxalá Anunciação sem oxalá (Mario Benedetti) Do l...
Sete poemas portugueses (3) Sete poemas portugueses (3) (Ferreira Gullar) Vagueio campos noturnos Muros...

Deixe uma resposta