Jamais Te Amei Tanto

Print Friendly, PDF & Email

Jamais Te Amei Tanto (Bertold Brecht)

Jamais te amei tanto, ma soeur
Como ao te deixar naquele pôr do sol
O bosque me engoliu, o bosque azul, ma soeur
Sobre o qual sempre ficavam as estrelas pálidas
No Oeste.
Eu ri bem pouco, não ri, ma soeur
Eu que brincava ao encontro do destino negro –
Enquanto os rostos atrás de mim lentamente
Iam desaparecendo no anoitecer do bosque azul.
Tudo foi belo nessa tarde única, ma soeur
Jamais igual, antes ou depois –
É verdade que me ficaram apenas os pássaros
Que à noite sentem fome no negro céu.

Publicações relacionadas

Velhas tristezas Velhas tristezas (Cruz e Souza) Diluências de luz, velhas tristezas ...
Chove. Há silêncio, porque a m... Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva (Fernando Pessoa) Chove. Há silênci...
Múmia Múmia (Cruz e Souza) Múmia de sangue e lama e terra e treva, Podr...
Ao sol do meio-dia eu vi dormi... Ao sol do meio-dia eu vi dormindo - Soneto (Álvares de Azevedo) Ao sol do mei...

Deixe uma resposta