Bicarbonato de Soda

Print Friendly, PDF & Email

Bicarbonato de Soda (Álvaro de Campos)

Súbita uma angústia…
Ah que angústia, que náusea do estômago à alma!
Que amigos que tenho tido!
Que vazias de tudo as cidades que tenho percorrido!
Que esterco metafísico os meus propósitos todos!

Uma angústia,
Uma desconsolação da alma,
Um deixar cair os braços ao sol-pôr do esforço…
Renego.
Renego tudo.
Renego mais do que tudo.
Renego a gládio e fim todos os Deuses e a negação deles.
Mas o que é que me falta, que o sinto faltar no meu estômago
e na circulação do sangue?
Que atordoamento vazio me esfalfa o cérebro?

Devo tomar qualquer coisa ou suicidar-me?
Não: vou existir. Arre! Vou existir.
E-xis-tir…
E–xis–tir…

Meu Deus! Que budismo me esfria no sangue!
Renunciar de portas todas abertas.
Perante a paisagem todas as paisagens,
Sem esperança, em liberdade,
Sem nexo,
Acidente da inconseqüência da superfície das coisas,
Monótono mas dorminhoco,
E que brisas quando as portas e as janelas estão todas
abertas!
Que verão agradável dos outros!

Dêem-me de beber, que eu não tenho sede!

Publicações relacionadas

A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...
O Único Mistério do Universo O Único Mistério do Universo (Alberto Caeiro) O único mistério do Universo é ...
O impossível carinho O impossível carinho (Mário de Andrade) Escuta, eu não quero contar-te o meu ...
O Lamento das Coisas O Lamento das Coisas (Augusto dos Anjos) Triste, a escutar, pancada por panca...

Deixe uma resposta