Mas eu, em cuja alma se refletem

Print Friendly, PDF & Email

Mas eu, em cuja alma se refletem (Álvaro de Campos)

Mas eu, em cuja alma se refletem
As forças todas do universo,
Em cuja reflexão emotiva e sacudida
Minuto a minuto, emoção a emoção,
Coisas antagônicas e absurdas se sucedem –
Eu o foco inútil de todas as realidades,
Eu o fantasma nascido de todas as sensações,
Eu o abstrato, eu o propalado no écran,
Eu a mulher legítima e triste do Conjunto,
Eu sofro ser eu através disso tudo como ter sede sem ser de água.

Publicações relacionadas

Navegadores Portugueses Navegar não é privilégio de nós, internautas. No...
Romance del emplazado Romance del emplazado (Federico Garcia Lorca) Para E...
Cotovia Cotovia (Manuel Bandeira) — Alô, cotovia! Aonde voaste, Por onde an...
Ontem o Pregador Ontem o Pregador (Alberto Caeiro) Ontem o pregador de verdades dele F...

Deixe uma resposta