Sonho de um Monista

Print Friendly, PDF & Email

Sonho de um Monista (Augusto dos Anjos)

Eu e o esqueleto esquálido de Esquilo
Viajávamos, com urna ânsia sibarita,
Por toda a pró-dinâmica infinita,
Na inconsciência de um zoófito tranqüilo.

A verdade espantosa do Protilo
Me aterrava, mas dentro da alma aflita
Via Deus — essa mônada esquisita —
Coordenando e animando tudo aquilo!

E eu bendizia, com o esqueleto ao lado,
Na guturalidade do meu brado,
Alheio ao velho cálculo dos dias,

Como um pagão no altar de Proserpina,
A energia intracósmica divina
Que é o pai e é a mãe das outras energias!

Publicações relacionadas

Barrio sin luz Barrio sin luz (Pablo Neruda) ¿Se va la poesía de las cosas o no la puede c...
Tristezas da lua Tristezas da lua (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Martins Fontes ...
Navegar é Preciso Navegar é Preciso (Fernando Pessoa) Navegadores antigos tinham uma frase glor...
Debussy Debussy (Manuel Bandeira) Para cá, para lá . . . Para cá, para lá . . . Um ...

Deixe uma resposta