Saudades

Print Friendly, PDF & Email

Saudades (Florbela Espanca)

Do Livro de Soror Saudade

Saudades! Sim…talvez…e porque não?…
Se o nosso sonho foi tão alto e forte
Que bem pensara vê-lo até à morte
Deslumbrar-me de luz o coração!

Esquecer! Para quê?…AH! como é vão!
Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
Deve-nos ser sagradao como o pão!

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
Para mais doidamente me lembrar,
Mais doidamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:
Quanto menos quisesse recordar
Mais a saudade andasse presa a mim!

Publicações relacionadas

Minha Árvore Minha Árvore (Augusto dos Anjos) Olha: É um triângulo estéril de ínvia estrad...
É muito claro É muito claro (Ana Cristina Cesar) é muito claro amor bateu para ficar ...
Soneto de intimidade Soneto de intimidade (Vinicius de Moraes Nas tardes da fazenda há muito azul ...
A Cachoeira A Cachoeira (Castro Alves) MAS SÚBITO da noite no arrepio Um mugido soturno ...

Deixe uma resposta