A maior Tortura

Print Friendly, PDF & Email

A maior Tortura (Florbela Espanca)

A um grande poeta de Portugal

Na vida, para mim, não há deleite.
Ando a chorar convulsa noite e dia …
E não tenho uma sombra fugidia
Onde poise a cabeça, onde me deite !

E nem flor de lilás tenho que enfeite
A minha atroz, imensa nostalgia ! …
A minha pobre Mãe tão branca e fria
Deu-me a beber a Mágoa no seu leite !

Poeta, eu sou um cardo desprezado,
A urze que se pisa sob os pés.
Sou, como tu, um riso desgraçado !

Mas a minha tortura inda é maior:
Não ser poeta assim como tu és
Para gritar num verso a minha Dor ! …

Publicações relacionadas

Clearly Non-Campos! Clearly Non-Campos! (Álvaro de Campos) Não sei qual é o sentimento, ainda ine...
A meretriz A meretriz (Augusto dos Anjos) A rua dos destinos desgraçados Faz medo. O Ví...
Anoche cuando dormía Anoche cuando dormía (Antonio Machado) Anoche cuando dormía soñé, ¡bendita ...
A Guerra A Guerra (Alberto Caeiro) A guerra que aflige com os seus esquadrões o M...

Deixe uma resposta