A maior Tortura

Print Friendly, PDF & Email

A maior Tortura (Florbela Espanca)

A um grande poeta de Portugal

Na vida, para mim, não há deleite.
Ando a chorar convulsa noite e dia …
E não tenho uma sombra fugidia
Onde poise a cabeça, onde me deite !

E nem flor de lilás tenho que enfeite
A minha atroz, imensa nostalgia ! …
A minha pobre Mãe tão branca e fria
Deu-me a beber a Mágoa no seu leite !

Poeta, eu sou um cardo desprezado,
A urze que se pisa sob os pés.
Sou, como tu, um riso desgraçado !

Mas a minha tortura inda é maior:
Não ser poeta assim como tu és
Para gritar num verso a minha Dor ! …

Publicações relacionadas

Num Dia de Verão Num Dia de Verão (Alberto Caeiro) D...
O Gramático O Gramático (Oswald de Andrade) Os negros discutiam Que o cavalo sipantou M...
Sou um caso perdido Sou um caso perdido (Mario Benedetti) Do liv...
Trégua Trégua (Adélia Prado) Hoje estou velha como quero ficar Sem nenhuma estridên...

Deixe uma resposta