Um mancebo no jogo se descora

Print Friendly, PDF & Email

Um mancebo no jogo se descora – Soneto (Álvares de Azevedo)

Um mancebo no jogo se descora,
Outro bêbado passa noite e dia,
Um tolo pela valsa viveria
Um passeia a cavalo, outro namora,

Um outro que uma sina má devora
Faz das vidas alheias zombaria,
Outro toma rapé, um outro espia….
Quantos moços perdidos vejo agora!

Oh! não proíbam pois ao meu retiro
Do pensamento ao merencório luto
A fumaça gentil por que suspiro.

Numa fumaça o canto d’alma escuto. . .
Um aroma balsâmico respiro,
Oh! deixai-me fumar o meu charuto!

Publicações relacionadas

As mãos de Deus As mãos de Deus (David Hebert Lawrence) Coisa terrível é cair nas mãos do D...
O dilúvio O dilúvio(Machado de Assis) E caiu a chuva sobre a terra quarenta dias e q...
Elevação Elevação (Charles Pierre Baudelaire) Tradução de Eduardo Guimarães So...
Galope Galope (Rafael Alberti) Las tierras, las tierras, las tierras de España, la...

Deixe uma resposta