Minha grande ternura

Print Friendly, PDF & Email

Minha grande ternura (Manuel Bandeira)

Minha grande ternura
Pelos passarinhos mortos;
Pelas pequeninas aranhas.

Minha grande ternura
Pelas mulheres que foram meninas bonitas
E ficaram mulheres feias;
Pelas mulheres que foram desejáveis
E deixaram de o ser.
Pelas mulheres que me amaram
E que eu não pude amar.

Minha grande ternura
Pelos poemas que
Não consegui realizar.

Minha grande ternura
Pelas amadas que
Envelheceram sem maldade.

Minha grande ternura
Pelas gotas de orvalho que
São o único enfeite de um túmulo.

Publicações relacionadas

Versos a um Cão Versos a um Cão (Augusto dos Anjos) Que força pode, adstricta a ambriões info...
Um beijo que tivesse um blue Um beijo que tivesse um blue (Ana Cristina Cesar) Um Beijo que tivesse um b...
O relógio O relógio (João Cabral de Melo Neto) 1. Ao redor da vida do h...
Qualquer pano, quando está suj... Qualquer pano, quando está sujo (Bertold Brecht) Qualquer pano, quando está s...

Deixe uma resposta