Minha grande ternura

Print Friendly, PDF & Email

Minha grande ternura (Manuel Bandeira)

Minha grande ternura
Pelos passarinhos mortos;
Pelas pequeninas aranhas.

Minha grande ternura
Pelas mulheres que foram meninas bonitas
E ficaram mulheres feias;
Pelas mulheres que foram desejáveis
E deixaram de o ser.
Pelas mulheres que me amaram
E que eu não pude amar.

Minha grande ternura
Pelos poemas que
Não consegui realizar.

Minha grande ternura
Pelas amadas que
Envelheceram sem maldade.

Minha grande ternura
Pelas gotas de orvalho que
São o único enfeite de um túmulo.

Publicações relacionadas

Falas de Civilização Falas de Civilização (Alberto Caeiro) Falas de civilização, e de não dever s...
Noiva da agonia Noiva da agonia (Cruz e Souza) Trêmula e só, de um túmulo surgindo, ...
Os versos que te fiz Os versos que te fiz (Florbela Espanca) Deixa dizer-te os lindos versos raros...
Beatrice Beatrice (Antero de Quental) Nem visao, nem real: amor! amor somente!... Poi...

Deixe uma resposta