Minha grande ternura

Print Friendly, PDF & Email

Minha grande ternura (Manuel Bandeira)

Minha grande ternura
Pelos passarinhos mortos;
Pelas pequeninas aranhas.

Minha grande ternura
Pelas mulheres que foram meninas bonitas
E ficaram mulheres feias;
Pelas mulheres que foram desejáveis
E deixaram de o ser.
Pelas mulheres que me amaram
E que eu não pude amar.

Minha grande ternura
Pelos poemas que
Não consegui realizar.

Minha grande ternura
Pelas amadas que
Envelheceram sem maldade.

Minha grande ternura
Pelas gotas de orvalho que
São o único enfeite de um túmulo.

Publicações relacionadas

Ocorrência Ocorrência (Ferreira Gullar) Aí o homem sério entrou e disse: bom dia Aí o ...
Canto a mim mesmo Canto a mim mesmo (Walt Whitman) ... Existo como sou, isso é o que basta: ...
Minha Desgraça Minha Desgraça (Álvares de Azevedo) Minha desgraça não é ser poeta, Nem na t...
Manhã de embriaguez Manhã de embriaguez (Arthur Rimbaud) Ó meu Bem! Ó meu Belo! Fanfarra atroz em...

Deixe uma resposta