Minha grande ternura

Print Friendly, PDF & Email

Minha grande ternura (Manuel Bandeira)

Minha grande ternura
Pelos passarinhos mortos;
Pelas pequeninas aranhas.

Minha grande ternura
Pelas mulheres que foram meninas bonitas
E ficaram mulheres feias;
Pelas mulheres que foram desejáveis
E deixaram de o ser.
Pelas mulheres que me amaram
E que eu não pude amar.

Minha grande ternura
Pelos poemas que
Não consegui realizar.

Minha grande ternura
Pelas amadas que
Envelheceram sem maldade.

Minha grande ternura
Pelas gotas de orvalho que
São o único enfeite de um túmulo.

Publicações relacionadas

Já que me põem a tormento Já que me põem a tormento (Gregório de Matos) Já que me põem a tormento mur...
Às vezes entre a tormenta Às vezes entre a tormenta (Fernando Pessoa) Às vezes entre a tormenta, quan...
Intimidad Intimidad (Mario Benedetti) Soñamos juntos juntos despertamos el tiempo h...
La Saeta La Saeta (Antonio Machado) ¿Quién me presta una escalera, (Quem me empres...

Deixe uma resposta