Da Sedução dos Anjos

Print Friendly, PDF & Email

Da Sedução dos Anjos (Bertold Brecht)

Anjos seduzem-se: nunca ou a matar.
Puxa-o só para dentro de casa e mete-lhe
a língua na boca e os dedos sem frete
Por baixo da saia até se molhar
Vira-o contra a parede, ergue-lhe a saia
E fode-o. Se gemer, algo crispado
Segura-o bem, fá-lo vir-se em dobrado
Para que do choque no fim te não caia.

Exorta-o a que agite bem o cú
Manda-o tocar-te os guizos atrevido
Diz que ousar na queda lhe é permitido
Desde que entre o céu e a terra flutue –

Mas não o olhes na cara enquanto fodes
E as asas, rapaz, não lhas amarrotes.

Publicações relacionadas

Poética Poética (Manuel Bandeira) Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem com...
O amigo dedicado O amigo dedicado (Oscar Wilde) por Oscar Wilde Certa manhã o velho Rato d'...
Tu Tu (Vladmir Maiakowski) Tradução de E. Carrera Gu...
Poema Perto do Fim Poema Perto do Fim (Thiago de Mello A morte é indolor. O que dói nela é o n...

Deixe uma resposta